Peter Pan by Phill
julho 4, 2009, 1:10 am
Filed under: Palavras | Tags: , , , , , ,

(Ferramenta: Photoshop)

Era uma vez…

Um garoto diferente. Na verdade, não sei se era, se foi, ou se jamais conseguiu ser garoto… porém, todos sabemos que Michael Jackson era diferente. E não por ser um artista fenomenal. Não… digo nos pensamentos. Brilhante, sim, porque burro ele jamais foi. Agora, confuso já é outra estória…

Infância de verdade ele nunca teve. Muitos não têm, claro. A vida é menos maleável que o aço, às vezes, e há pessoas piores que outras; menos pais e mães e mais homens e mulheres desvirtuados. Talvez a diferença de homem para homem esteja diretamente ligada ao tratamento da infância, ou talvez seja algo entranhado em nós mesmos… ou talvez até um pouco dos dois, não saberia dizer ao certo. Não entendo de psicologia; se quiserem saber a resposta mais concreta possível, perguntem aos psicólogos.

Vejam: eu apenas digo o que acho, nada mais; escrevo minhas idéias e não minhas certezas, já que estas não têm tanta graça ou poesia. E o que eu acho, de verdade, é que Michael Jackson foi adulto quando queria ser criança, e tentou ser criança quando precisava ser adulto. E achou que conseguiria.

Muito dinheiro faz isso com as pessoas: faz elas acreditarem que têm o poder de moldar a realidade ao seu belprazer, como verdadeiros artíficies da vontade, e trazer todos os seus sonhos aos seus pés… e o sonho particular de Michael Jackson sempre foi sua infância querida, que os anos não trazem mais. Que nunca trouxeram, que lhe fora roubada, que lhe fora arrancada à força!

Ah, meu pai! – deveria tê-lo pensado, um dia, o cantor negro da pele branca – Como eu queria um pai de verdade para ser criança de verdade!

E aí ele percebeu… há sempre o dinheiro…! Comprar sua infância de volta? Teoricamente é algo ridículo, não é? Bem, parando pra pensar… nem tanto assim. Não para ele, e duvido que para muita gente isso o seja também.

Porém, por mais que não seja ridículo, é impossível. Sei mais do que muitos o quão difícil é ser um Peter Pan. Não nascemos para parar ou voltar o tempo, nem para fazer moonwalks na vida. Nossos passos sempre, por mais lentos e por mais que olhemos para trás, fazem sua própria dança rumo ao futuro. E às vezes, entender isso custa muito mais do que só um pouco de tempo: custa bilhões e bilhões de dólares, que moldam uma Terra do Nunca em lar e os Hérois dos Quadrinhos em pedra, trazendo os sonhos mais pra perto e os problemas mais pra longe.

E, às vezes, custa sua própria vida.

Talvez, depois de pensamentos como esses, uma pergunta baile na mente de todos, fazendo seus rodopios no palco da mente de cada um: E se ele não conseguiu ser criança, e não conseguiu ser adulto… o que ele conseguiu ser, afinal??

Hahaha! – debocham das palavras os seus fãs – alguém precisa mesmo responder?

*

– Esse é um texto em homenagem ao Rei do Pop, escrito por Phillip Thibodeaux, que demostra o carinho do HisDream pela pessoa que foi Michael Jackson. Acima de tudo ele foi um ser humano que acreditou em seus sonhos, e merece como qualquer outro sonhador, nosso respeito. Que descanse em paz!

banner-pessoal-phill1

Anúncios


A Segunda Lenda by Phill
abril 12, 2009, 4:41 pm
Filed under: Outros | Tags: , , , ,


Morre segundo criador do jogo Dungeons & Dragons

O Primeiro (segundo?) Mestre

O Primeiro (segundo?) Mestre

O americano Dave Arneson, um dos dois criadores do jogo Dungeons & Dragons, que popularizou o fenômeno mundial dos RPG (Role-Playing Game, ou jogo de interpretação de personagens), faleceu na terça-feira aos 61 anos, anunciou nesta sexta-feira a editora do jogo.
Arneson morreu de câncer em Saint Paul (Minnesota, norte dos EUA), destacou a Wizards of the Coast, filial da Hasbro Inc., editora do D&D.

O outro autor do RPG mais famoso do mundo, Gary Gygax, faleceu em março de 2008, quando tinha 69 anos.

Arneson e Gygax lançaram a primeira edição do D&D em 1974. Em poucos anos, o jogo se tornou um fenômeno cultural em todo o mundo.

“No D&D, os heróis se tornam mais poderosos a cada batalha, e seus combates podem ser integrados a aventuras mais vastas. Isso era a grande novidade do jogo”, explicou a Wizards of the Coast.

Este RPG estimula a imaginação dos jogadores, permitindo inventar personagens mágicos, fantásticos ou heróicos e fazê-los protagonizar inúmeras aventuras com um simples tabuleiro quadriculado, um bloco de anotações e dados.

D&D conquistou milhões de adeptos em todo o mundo, em maioria jovens fascinados pelo livro “Senhor dos Anéis”, de J.R.R. Tolkien, do qual o jogo se inspirou.

Notícia retirada de: http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/04/10/morre+segundo+criador+do+jogo+dungeons++dragons+5465902.html

É, pessoas, parece que os pioneiros se foram.
Pra quem conhece, o RPG Dungeons and Dragons é uma forma fabulosa e sem igual de garantir divertimento e trabalhar a sua criatividade. Por isso, ressalto essa pequena e insignificante homenagem aqui aos dois criadores de Dungeons and Dragons (Masmorras e Dragões); o jogo revolucionou o mundo de muita gente, inclusive o meu próprio, e por isso, nas palavras de todo um mundo, deixo aqui minha gratidão:

“Thy shall rest upon thy deserved plane of existence, great Lords of the Worlds. May the Gods look upon your souls, as your legend lives on forever. Thank you.

” Você deve descansar sobre o seu devido plano de existência, grandes Lordes dos Mundos. Que os Deuses cuidem de suas almas, enquanto sua lenda vive eternamente. Obrigado.”

banner-pessoal-phill1



Elixir by Phill
março 28, 2009, 11:44 am
Filed under: Palavras | Tags: , , ,

O que seria a morte verdadeira? Seria o esvair final da vida…? Não penso assim. A morte, pra mim, é o sumiço da existência.

Penso que não importa quem você seja, se você ainda faz parte das memórias de alguém, você ainda vive. Talvez seja esse o sentido da vida em si; talvez não a busca pela felicidade, não o sucesso, não o auto-sucesso… talvez nem mesmo a incansável busca pelo conhecimento. A vida, em resumo, seria a influência que você tem no coração de outras pessoas.

Sabe, quando você dá um pouquinho de você pra quem você ama? E quando você também recebe um pouco de volta? Particularmente, considero isso o máximo sublime da vida, de estar vivo, de ser: Saber que quando você ri, há alguém, sempre alguém, que ri com você… e quando você chora, aquelas pessoas também derramam lágrimas, por mais invisíveis que possam parecer.

O melhor de tudo é perceber que, quando você se vai, você pode ter toda a certeza do mundo que não se vai por completo. As pessoas vão se entristecer e lembrar de você: momentos bons, ruins, engraçados, tristes e outros milhares indescritíveis… E assim, tudo isso vai ficar guardado no pequeno pedaço da sua alma que chamamos de coração, esteja você lá ou não. Desse jeito, saberemos todos que, independentemente de já termos ido, podemos descansar em paz! Viemos, vimos, vivemos. Fizemos a diferença, toda a diferença, na vida de alguém, e essa diferença viverá eternamente; o elixir da verdadeira vida eterna.

No final, isso é tudo o que realmente importa.

banner-pessoal-phill1



Morre by Rafael Arruda
novembro 5, 2008, 12:50 pm
Filed under: Poesia | Tags: ,

Morre

Quer o tempo passar
o ser, não quer aceitar

Vive sem trégua,
desacredita já sem vida.
Morre em arrebentação.

Escândalo finito,
verdade sabida.
Acredita e definha.

 

banner-pessoal-zinho