Brainstorm! by Phill
julho 14, 2009, 5:51 pm
Filed under: Poesia | Tags: , ,

Anda, que tua dança te espera
Teu palco aguarda a tua presença
Teu andar demasiado lento
Teu sonho demasiado grande

Os olhos não alcançam
Mas os lábios… ah, os lábios
Estes surgem e, sim,  andam
O teu deferido passo

E o andar que vai
E o sorriso que tem
E os lábios que vão
E o amor de ninguém
E os sonhos de quem
Pensa que cai
E acaba no não.

Mas nem mesmo os Deuses
Tiveram a coragem
De lhe tirar a beleza,
Pecado Feminino

Meu destino de outrora.

banner-pessoal-phill1

Anúncios


Conturbação by Phill
julho 14, 2009, 5:38 pm
Filed under: Poesia | Tags: , , ,

Ah, as viagens pelo mundo
Pelo mágico, pelo corpo
Pelo sonho, pela mente!

Ah, as malandragens do texto
As peripécias do jeito
As traquinas palavras!

Ah, o percalço do impasse
A derrota e o derrame
A tristeza sinestésica!

Ah, o mundo sem alcance
A vida lance a lance
O sujeito e o predicado!

Ah, a melancolia dementada
A paixão desvirtuada
A confusão apontada…
Seus caminhos rugosos
Pedregulhos na alma
Pontadas no coração!

Ah, como é triste
A vida do poeta

banner-pessoal-phill1



Red Lips by Rafael Arruda
julho 2, 2009, 9:09 pm
Filed under: Ilustra, Poesia | Tags: , , , , , ,

(Ferramenta: Photoshop)

Sangue,
eles eram cor de sangue.
O toque não foi macio,
eram amargos,
amargamente desejáveis.

Sangue,
foi o que me restou.
Dei-me por gente,
sobrou-me sem alma,
cálido.

*

Aiaiai uiui. Tem certas coisas que são irresistíveis.. mulher pipoca por exemplo.

banner-pessoal-zinho



Receita de Princesa [2] by Rafael Arruda
maio 19, 2009, 3:11 am
Filed under: Poesia | Tags: , , , , , , , ,

Olá,

A poesia a seguir é uma resposta para a 1ª que leva o mesmo nome, CLIQUE AQUI. Venho fazer o contraste entre a Princesa do Conto de Fadas e, quem sabe, a Princesa do Funk? Me desculpem qualquer exagero, mas tenho que ser sincero, nem eu e nem você acreditamos neste equívoco.

Recita de Princesa [2], do Funk

Um pedaço de Jeans e bem pouco pano,
Uma batida legal e um som animal.
A maquiagem, da amiga,
A bunda,  da geral.

Um manto vermelho, cor de sangue
Armas, beijos e sexo.
Uns tiros e mortos mil,
A sorte, o sonho, a Princesa.

E agora deixamos passar,
Como toda santa ignorância,
Que só de pão, subverteram, o homem viverá.

Um pouco de dinheiro e circo de montão,
Nada de saúde e educação.
Sorrisos forçados pelo passar do dia,
A pose de fome, sempre, em agonia.
A cara do povo,
A fé por debaixo. 

Pegue uma pedra e atire no coitado,
Vai tarde, escapar da miséria..
Os reinos em guerra,
As disputas por terra, 

Vagabundo de terno e gravata.

Com um pouco de ‘merda nenhuma,
Que traz consigo a vingança,
Decore sua família,
E todos os seus desejos de poder.

E cadê a esperança?
Gente doente na fila,
Entre o dever e a subserviência,
Entre morrer e sofrer.
E de que vale ser a Rainha? eu digo.
Pra sorrir no baile e poder esquecer.

Onde está o príncipe encantado?
Quem sabe não foi abatido,
Por aqueles homens que nada têm,
Exceto angústia no sobrenome
E um sorriso amarelo.
E a própria liberdade? Liberdade!

Ó, liberdade, mesquinha,
Invenção de cartola,
Tão digna do trouxa que a inventou.
Sei que só desejas isso pela dor da fome, passe bem, ó pequena criança.

banner-pessoal-zinho



Receita de Princesa by Phill
maio 8, 2009, 11:09 pm
Filed under: Poesia | Tags: , , , , ,

Um pedaço de seda e um pouco de linha
Um conto de fadas e um sonho de menina
Uma coroa, que seja hereditária
Uma tiara, para as estrelas a invejarem

Um manto azul, cor de anil
Babados,laços e fitas
Três cortes e enfeites mil
A sorte, o sonho, a Princesa…

E agora continuemos
pois ao contrário da crença
nem só de sonhos se faz a realeza.

Um pouco de cortejo e cortesia
de etiqueta e educação
Sorrisos forçados pelo passar do dia
A pose galante, sempre, indestrutível
A armadura de aço
A porcelana por debaixo

Pegue uma fita e pinte o castelo
De escravos, e criadas, e ordens
Os reinos em guerra
as disputas por terra
Os atritos que nunca se encerram

Com um rolo de intrigas
Que trazem consigo a vingança
Decore sua família
E seus desejos de poder

E cadê o amor?
O amor se perde
Entre o dever e a subserviência
entre casamentos de interesse.
De que lhe vale ser rainha
Por um rei que não te quer?

Onde está o príncipe encantado?
Quem sabe, não está ele apaixonado
Por aquela dama, que nada tem
exceto uma casa no campo,
um sorriso sincero
E a própria liberdade?

Ó, liberdade,
Tão invejada, tão almejada,
Tão indigna de uma princesa.
Não desejes as coisas por seu brilho, ó pequena criança.

banner-pessoal-phill1



Fairytale by Phill
abril 8, 2009, 12:58 am
Filed under: Poesia | Tags: , , ,

Que tipo de brilho é aquele no céu?

Serão os olhos de um apaixonado
Ou talvez o guia de volta ao lar?
Seria a fonte dos desejos humanos
ou o caminho para a Terra do Nunca?

Peter Pan vos aguarda, ó eterna criança

Seria o sol de um mundo sem luz?
Talvez um planeta de órbita clara
Quem sabe uma astronave alienígina
Ou o sinal do apocalipse por vir?

Que seja o pedido de uma alma divina
Que seja a alma de um pedido divino
Que seja a palma de um perdido destino

Venha por aqui, diz o Brilho

Se pensarmos com a cabeça
Veremos que o brilho é apenas
Pó de estrela, que brilha e apaga
E que nada mais é do que pó.

Mas se pensarmos com a cabeça
Esconde-se atrás da lógica mortal
O olhar de fada de um místico
que pisca os olhos infinitos
E fazem o azul do céu
parecer mais com um conto de fadas.

Imaginar é tudo.

Sempre bom que você escreva algo quando a inspiração bate, né? Pois bem, isso é o que dá trabalhar em uma biblioteca infantil =D

banner-pessoal-phill1



Menina Mulher by Rafael Arruda
março 25, 2009, 8:39 pm
Filed under: Ilustra, Poesia | Tags: , , , , ,

O que seria desse blog se não fossem as mulheres? Elas estampam tantas de nossas criações!

Menina Mulher,
dos lábios rosados
da pele macia,
não pensa em seus atos.

Menina Mulher,
do sonho valente
de olhos tranquilos,
nunca serás inocente.”

*

Meninas Mulheres encantam à todos. Têm um charme maduro e o encanto da juventude. Vivem em metamorfose, mudando seus conceitos, encaram seus problemas e são “guerreiras sensíveis“. Buscaram o equilíbrio e o encontraram. Elas sabem que são capazes, que podem e que conseguem.

Atualização (filosófica): Falei em Metamorfose e em Equilíbrio, eu estaria sendo controverso? Não sei, me peguei. Talvez ela esteja se transformando apenas para buscar seu próprio equilíbrio. Porém mudar constantemente pode trazer equilíbrio? Ou o “benefício” do equilíbrio é apenas um bordão? Me ajudem.

banner-pessoal-zinho

Bom de Faro   Busca Pé